Falecei na madrugada deste sábado (08) o pioneiro jaruense Francisnaldo Bezerra, 66 anos, vítima de um infarto fulminante.

Segundo informações, Francisnaldo estava em sua residência quando teria passado mal e foi levado para o Hospital Municipal de Jaru , mas não resistiu e veio a óbito por volta de 4h30.

O corpo de Francisnaldo Bezerra será na comunidade Santa Luzia no Setor 05 e o horário do sepultamento ainda não foi definido.

Conheça um pouco mais da história de Francisnaldo Bezerra:

Em 2015, Francisnaldo Bezerra concedeu uma entrevista exclusiva ao escritor Elias Gonçalves Pereira onde narrou parte de sua trajetória com foco específico nos fatos relacionados ao Estado de Rondônia. O objetivo do escritor era, além de destacar o legado histórico-cultural de Francisnaldo, enfatizar a história de um dos mais longevos eventos agropecuários de Jaru, a extinta Expoaja. O trabalho feito pelo autor será pauta de um dos próximos livros, cuja obra ainda não tem data prevista para ser lançada, mas o escritor fez questão de ceder à imprensa eletrônica de Jaru todas as informações que possuíam a respeito de um dos responsávei s pelo sucesso da Expoaja desde o seu início na década de 1980.

A história de Francisnaldo Bezerra não começou no município de Jaru, mas foi no local onde ele deixou um grande legado para a posteridade, algo que jamais será esquecido por muita gente. Um dos eventos mais marcantes, a antiga Exposição Agropecuária de Jaru – Expoaja – criado em 18 de julho de 1985 teve a honra de contar com Bezerra como um dos idealizadores e também o primeiro presidente da entidade. Porém, antes de presidir a Expoaja e ser responsável por uma série de edições da festa, Francisnaldo atuou como funcionário da – hoje extinta – Companhia de Desenvolvimento Agrícola de Rondônia, a Codaron, e no órg&ati lde;o foi responsabilidade por influenciar positivamente o recém-criado Estado, especialmente o hoje distrito de Santa Cruz da Serra, um povoado que na década de 1980 precisava de muita ajuda do Governo para se desenvolver tendo em vista que o local ainda estava no início de sua colonização.Francisnaldo foi candidato a prefeito de Jaru na primeira eleição municipal realizada em 1982. Apoiado pelo Governador Jorge Teixeira, disputou com outros cinco nomes. Na época perdeu por apenas três votos para Leomar José Baratella. Ambos disputaram pelo Partido Democrático Social (PDS), uma vez que a lei eleitoral permitia dois candidatos do mesmo partido disputar o pleito.

O terreno da antiga Expoaja – hoje abriga o campus do Instituto Federal de Rondônia, o IFRO – fora doado à época pelo senhor Deusdete, um pioneiro jaruense que chegou à Vila de Jaru em 1976. Inicialmente, o Parque de Exposições contou com um alqueire de terra doado pelo senhor Deusdete. Em seguida, a Associação dos Criadores de Jaru comprou alguns terrenos ao lado do parque e ampliou o seu tamanho para três alqueires. Os sócios do parque de exposição construíram ainda estábulos para bovinos, stands, escritório, estacionamentos, palco para shows, arena para rodeio, pista de vaquejada, entre outras instalações consideradas necessá rias para o pleno funcionamento do evento que, por muitos anos, foi um dos mais tradicionais do ramo em Jaru. Diversas pessoas do município de Jaru ligadas ao setor comerciário ou agrícola fizeram parte da Expoaja ocupando algum tipo de cargo ou como sócio do parque.  As festas eram realizadas anualmente, geralmente no mês de agosto e duravam nove dias.

A existência da extinta Expoaja contou com a participação de dezenas de pessoas. Francisnaldo Bezerra, um dos sócios-fundadores da entidade declarou em entrevista ao escritor Elias Gonçalves no ano de 2015 que a iniciativa de se realizar um evento agropecuário de tamanha grandeza contou com a participação de muitos jaruenses, entre eles, o saudoso José Amábile (Saravá), Sebastião Antônio Pinto (Tião da Bianca), Francisco Alves de Assis (Chico Capixaba), Airam Fernandes Lage (Dr. Airam), Dito Barlatti, sendo esse último o doador de todo o material que serviu para a construção do 1º pavilhão da Expoaja, além de ceder um trator par a a limpeza da área que seria construída o Parque Integração. Outro nome que também marcou a Exposição Agropecuária de Jaru é o de Marlene Martins, a Marlene Loira, responsável pela criação da bandeira do mais longevo evento do setor agropecuário do município.

Francisnaldo Bezerra relembrou durante a entrevista realizada em 2015 a emoção que teve com os primeiros passos que foram dados para que toda a estrutura do parque entrasse em funcionamento. O nome Parque Integração, segundo relatou, foi devido ao fato de além dos associados, outros segmentos da sociedade organizada também auxiliaram na construção da obra, tais como comerciantes, empresários, etc.

O Parque Integração passou a adotar o nome Parque de Exposição Governador Jerônimo Santana no mandato do segundo Presidente da Expoaja, Geraldo de Souza Lima (Banco do Brasil). Francisnaldo explicou que foi uma decisão da maioria dos membros que faziam parte da diretoria da Expoaja, mas a alteração só valeu por um mandato. Uma reunião feita posteriormente garantiu que a antiga nomenclatura voltasse a ser adotada.
A Exposição Agropecuária de Jaru chegou a receber artistas consagrados de renome nacional. Contudo, o saudoso cantor Élcio Neves Borges, o inesquecível Barrerito, bateu recorde de presença na Expoaja. Artistas como Vanderley Cardoso, Gino e Geno, Amado Batista, entre muitos outros, também brilharam em alguma edição da festa.

Fonte: Anoticiamais  com informações do autor Elias Gonçalves

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here